Classificação de resíduos sólidos: como é feita?

Classificação de resíduos sólidos: como é feita?

Classificação de resíduos sólidos: como é feita?

Quando falamos de gerenciamento de resíduos é preciso entender, em primeiro lugar, qual o tipo de resíduo para então, poder dar suas classificações. Resíduo é qualquer coisa produzida durante o dia por alguém ou empresa. Dessa forma o gerenciamento é importante porque garante que o planeta não tenha impactos negativos. Um resíduo pode ser sólido, líquido ou gasoso e sua classificação diferencia de acordo com o processo ou atividade de origem. Quer saber mais sobre o assunto e entender como é feita a classificação de resíduos sólidos? Continue a leitura!

Tipos de resíduos

Resíduos sólidos

Geralmente os resíduos sólidos são o lixo que produzimos no dia a dia. Em outras palavras, são qualquer matéria sólida produzida pelo homem. E a grande jogada aqui é que para ser considerado um resíduo, ele tem que ter a possibilidade de ser aproveitado. O que acontece é que depois de vários aproveitamentos, ele não é mais economicamente relevante. Portanto, deve ser descartado seguindo a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Isso é essencial principalmente para empresas que geram resíduos sólidos.

Resíduos líquidos

A diferença para os sólidos é que o lixo aqui se encontra no estado líquido. Na maioria das vezes, esse tipo de resíduo é proveniente do material encontrado em lixões e aterros sanitários, também chamado de chorume. É muito comum áreas de rios serem contaminadas e, por isso, deve-se ser feito o gerenciamento de águas contaminadas.

Resíduos gasosos

São aqueles formados a partir de reações químicas feitas por bactérias. Resumindo esses microorganismos se aproveitam do lixo orgânico para fazerem as reações acontecerem. Em suma são produzidos dióxido de carbono (CO2) e o metano (CH4), substâncias prejudiciais ao homem e à natureza.

Como é feita a classificação de resíduos sólidos?

A classificação de resíduos sólidos é definida de acordo com a norma NBR 10004/04 da ABNT. Ela divide os resíduos sólidos em categorias levando em consideração os riscos potenciais para o meio ambiente e a saúde pública. A legislação permite ainda ter um panorama sobre quais os principais impactos ambientais que os resíduos podem gerar.

A classificação de resíduos sólidos envolve a origem do seu processo. Ela considera as características, e principalmente, o impacto à saúde e ao meio ambiente. Eles são classificados de acordo com:

  • a periculosidade – que é a característica de um resíduo em função de suas
    propriedades físicas, químicas ou infecto-contagiosas. Ela pode apresentar:
  1. risco à saúde pública (causando doenças ou até mesmo a morte da população);
  2. riscos ao meio ambiente (quando o gerenciamento não é feito da forma adequada).
  • a toxicidade – a propriedade potencial que o agente tóxico possui de provocar efeitos adversos a partir da sua interação com o organismo por inalação, ingestão ou absorção cutânea.

Laudo de classificação

Os laudos de classificação são feitos para ajudar na classificação de resíduos sólidos. Eles são elaborados por responsáveis técnicos habilitados e baseados exclusivamente na identificação do processo produtivo. Neles, constam informações como:

  • descrição da origem do resíduo;
  • o estado físico;
  • aspecto geral;
  • cor;
  • odor;
  • grau de heterogeneidade;
  • denominação do resíduo;
  • atividade industrial;
  • constituinte principal;
  • destinação final.

Vemos lixo. Saiba como ocorre a classificação de resíduos sólidos para o descarte!

Denominação das classificações

Entre os resíduos sólidos, podemos dividir suas classificações nos baseando exclusivamente na identificação do processo produtivo. Em outras palavras, podemos dizer que a classificação funciona da seguinte maneira:

  • resíduos classe I – perigosos;
  • resíduos classe II – não perigosos.

Esses de classe II podem ser divididos por sua vez em:

  • resíduos classe II A – não inertes.
  • resíduos classe II B – inertes.

A seguir, vamos entender melhor cada um deles.

Resíduos classe I – perigosos

É todo e qualquer resíduo que apresente pelo menos uma das características: inflamabilidade, corrosividade, reatividade, toxicidade ou patogenicidade. Ou seja, são aqueles que se entrarem em contato com as pessoas, podem colocar em risco a vida.

O principal ponto a ser observado nos resíduos de classe I é que quando eles são considerados perigosos, devem ser tomadas providências tanto para manuseio, como transporte e destinação final do material.

Resíduos classe II – não perigosos

Já os resíduos de classe II não apresentam risco à saúde e são divididos em Não Inertes e Inertes. Os resíduos não inertes podem ter propriedades como biodegradabilidade, combustibilidade ou solubilidade em água. Já os resíduos inertes são aqueles que quando submetidos ao contato com água e à temperatura ambiente, ficam indiferentes, não perdendo os padrões de potabilidade da água, ou seja, não muda seu aspecto de cor, turbidez, dureza e sabor.

Deixe a Ética Ambiental te ajudar!

Precisa de ajuda para fazer a classificação de resíduos sólidos da sua empresa? A Ética Ambiental pode ajudar! Estamos entre as melhores empresas de meio ambiente do RJ. Oferecemos serviços de Consultoria Ambiental, Gestão Ambiental, entre ouros. Garantimos os melhores resultados ao seu negócio!

Entre em contato agora e esteja dentro das leis!

Agência Digital no RJ Ética Ambiental © Todos os direitos reservados.
× Solicite o seu orçamento