Como é feita a recuperação de áreas degradadas?

Como é feita a recuperação de áreas degradadas?

Como é feita a recuperação de áreas degradadas?

A restauração ecológica é um dos assuntos mais comentados ultimamente. Ela consiste no processo de auxílio que visa o restabelecimento da funcionalidade de ecossistemas, comumente afetados pela ação humana. Desse modo, a recuperação de áreas degradadas, danificadas ou destruídas é uma atividade essencial para melhorar a qualidade de vida da população. Neste artigo, a Ética Ambiental explica como o serviço é feito. Confira!

Entenda mais sobre a recuperação de áreas degradadas

plano de recuperação de áreas degradadas
O Projeto de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD) tem como objetivo retomar a funcionalidade ambiental de um ecossistema destruído pela ação humana. Em geral, a degradação é causada pelas atividades de mineração, desmatamento e disposição de resíduos. Sendo assim, podemos dizer que uma área degradada é aquela que perdeu suas propriedades ambientais, bióticas e abióticas.

Aliás, a recuperação de áreas degradadas encontra respaldo na Constituição Federal de 1988:

“Art 2º – A Política Nacional do Meio Ambiente tem por objetivo a preservação, melhoria e recuperação da qualidade ambiental propícia à vida, visando assegurar, no País, condições ao desenvolvimento sócio-econômico, aos interesses da segurança nacional e à proteção da dignidade da vida humana, atendidos os seguintes princípios:
VIII – recuperação de áreas degradadas”.

Portanto, é de suma importância que as empresas tenham consciência sobre este assunto e possam colocar o plano em prática.

3 tipos de recuperação de áreas degradadas

Além de recuperar ecossistemas florestais degradados, o PRAD também promove a recuperação do solo. Para isso, são utilizadas técnicas distintas de acordo com a necessidade do projeto. Os seguintes fatores são levados em consideração:

  • características bióticas e abióticas da área;
  • fatores responsáveis pelo impacto gerado;
  • potencial de regeneração natural da área.

Na sequência, separamos os 3 principais tipos de recuperação de áreas degradadas. Conheça-os!

1 – Condição da regeneração natural

Este método de baixo custo consiste na adoção de medidas para auxiliar no processo de regeneração natural de uma área. Por exemplo: cercamento da região, contenção de plantas invasoras, uso de sementes para colonização do local, etc.

2 – Plantio por sementes

A semeadura direta é uma técnica de plantio que se resume na disposição de sementes diretamente no solo. Para que seja eficaz, o solo deve apresentar condições mínimas que promovam a germinação e crescimento das sementes.

3 – Plantio de mudas

O plantio de espécies arbóreas por mudas nativas garante altos índices de crescimento. Geralmente, após 2 anos, a área degradada já é restabelecida por completo, entrando em equilíbrio novamente.

A recuperação de áreas degradadas retoma o ecossistema o mais próximo possível à sua condição original. Desse modo, para que seu projeto tenha êxito, este deve ser elaborado por um gestor ambiental. O profissional possui conhecimento e habilidades necessárias para garantir a sustentabilidade dos recursos naturais. Inclusive, para evitar que as atividades industriais sejam prejudiciais ao meio ambiente!

Conte com a Ética Ambiental!

A Ética Ambiental é especialista na elaboração e execução de estudos, projetos e serviços ambientais. Entre eles, o Projeto de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD). Nossos consultores ambientais estão preparados para ajudar você a adequar sua empresa à legislação ambiental. Entre em contato conosco e saiba mais sobre os nossos serviços!

Gostou deste artigo? Acompanhe o blog da Ética Ambiental e fique por dentro de todas as novidades! Veja alguns artigos que podem ser úteis para você:

Agência Digital no RJ Ética Ambiental © Todos os direitos reservados.
Fechar
× Solicite o seu orçamento